Submisso ou Escravo?

Para alguns pode parecer que os termos acima não possuem qualquer diferença, mas para muitos praticantes existe um verdadeiro abismo entre um e outro.

De um modo bem simples, podemos começar dizendo que escravo é aquele que curte receber ordens e tem sua imagem associada àqueles que gostam de referir-se ao dominante como Mestre ou Senhor. Já o submisso, normalmente, é aquele que não curte usar estas expressões e tão pouco curte obedecer ordens.

É um pouco confuso entender a sutil diferença entre um e outro, principalmente porque no mundo BDSM muitas vezes usamos o termo submisso para referir-se a um escravo e vice-versa. Espero que os exemplos abaixo tragam um pouco de luz sobre o assunto.

Nem submisso, nem escravo, simplesmente masoquista

Aqui temos aquelas pessoas que não gostam de chamar o dominante de Senhor ou Mestre, não curtem obedecer ordens, sofrer humilhações ou submissão. O prazer está relacionado com o bondage e a dor, nada além disso. Para estes, quanto menos o dominador falar melhor, pois o que eles querem é ação e não falação.

Submisso sim, escravo não!

Este grupo é formado por pessoas que curtem submeter-se à vontade de um dominador, mas sem entrar no campo do "sim Senhor", "não Senhor'. Curtem humilhações do tipo: lamber os pés do dominante, receberem chuva dourada, ficar amarrados em posições humilhantes, etc. Um bom jeito de você perder um parceiro submisso é querer que ele seja seu escravo e faça coisas do tipo: andar de quatro, fazer serviços domésticos, etc. Para ficar bem claro esse conceito devemos lembrar do termo imgles "bottom", que reperesenta a pessoa que se sujeita à outra.

Submisso e escravo

Como já deu para perceber, nem todo submisso é escravo, mas todo escravo é submisso. Um escravo aceita praticamente qualquer coisa que o dominador quiser: bondage, dor, humilhações e servidão. Com este tipo você pode praticar sem nenhum problema dog trainning, obrigá-lo a efetuar serviços domésticos, servir de apoio aos pés, etc. E não se esqueça> todo escravo ADORA chamar seu dominante de Senhor ou Mestre, pois ao fazer isso eles verbalizam o fato de que são inferiores, que no fundo é o motivo pelo qual eles são escravos e sentem prazer nisso.

E como saber se o parceiro é masoquista, submisso ou escravo?

Bom, a menos que você tenha uma bola de cristal, o único jeito é perguntando diretamente (não é por outro motivo que afirmo em vários artigos que a comunicação é fundamental para a prática do BDSM).

Porém o submisso/escravo/masoquista tem papel fundamental para o sucesso da sessão. Se você é novo no mundo do BDSM e está se iniciando, deve avaliar as diversas práticas existentes e questionar-se qual delas ou quais delas lhe dão prazer. Imagin-se chamando outro homem de Senhor ou Mestre, isso lhe excita? Andar de quatro e usar coleiras? Fazer serviços domésticos? Ser forçado a usar roupas femininas? Infantilização? Servir de criado pessoal para o dominante? Ou será que suas taras estão mais ligadas ao bondage, dor e humilhações moderadas? O primeiro passo para conseguir muito prazer com BDSM é ser honesto consigo mesmo.

Nenhum comentário: