Entre Primos 3


Ele me batia, me xingava e me comia. Novamente estava nas mãos do meu malvado primo Felipe. Estava muito feliz, pois pensava que nunca mais poderia sentir aquele pau me tocando, aquele chulezão que só ele tem. Estava ali pronto para obedecê-lo e servi-lo novamente.


Estava com tanta saudade, que não tirava seu pezão da minha boca. Passava minha língua entre seus dedinhos, lambia e beijava aquelas lindas e saborosas solas branquinhas.

Felipe mandava e eu obedecia. Tudo tão perfeito que parecia um sonho. Realmente era um sonho. Mais uma vez acordei melado ao sonhar com meu primo delicioso. Já fazia um tempinho que não o via. Mais uma noite sem ter o meu Fê na cama. Como era bom acordar com aquele homem do meu lado, poder ouvir sua voz logo de manhã dizendo: "Bom dia safado!". Eu não imaginava o quanto sentiria a falta dele. Levantei da cama, tomei um banho bem gostoso, depois tomei café e fui pro trabalho.

Estava novamente numa reunião, quando meu celular tocou.

Adivinha quem era?

Era meu primo Felipe:

-Alô
-Fala Felipe! Tudo bem cara?
-Tudo sim e com você?
-Tudo ótimo. Tem como me ligar mais tarde? Estou no meio de uma reunião.
-Tudo bem. Ligo depois.
-Liga mesmo, abração cara.
-Outro!

Saí da reunião e fui pra minha sala. Fiquei esperando ele me ligar, imaginando o que ele queria comigo. Estava todo feliz por ter ouvido aquela voz que sempre me leva a loucuras. Resolvi retornar a ligação, mas caiu na caixa de mensagens.

Fui pra casa almoçar, passei no serviço do Thiago e o convidei para almoçarmos juntos. Depois do almoço Thiago ficou só de cuequinha, o que me deixou enlouquecido, foi aí que segurei o braço dele e lasquei um beijo na boca:

-Nossa como você é rápido. Acabei de tirar a roupa e fui surpreendido com um beijo. - disse Thiago
-Você não gostou?
-Claro que gostei.

E para retribuir, Thiago me beija e me chama pra cama. Começamos a transar. Peguei com força aquele garoto gostoso, e fiz ele gemer de tesão. Quanto mais enfiava meu pau no cuzinho dele, mais ele gemia:

-Vai, me fode! Com mais força. - assim dizia Thiago
-É pica que você quer VIADO, então pica que você vai ter.
-Mais forte! Regasse o meu cú!
-Vou arrobar isso que você chama de cú.
-Isso! Arrombe! Quero sentir sua porra aqui dentro de mim.

E logo estava gozando. Como é bom comer meu primo Thiago. Ele simplesmente é ótimo de cama. Então Thiago se vestiu e perguntou:

-Nos vemos mais tarde?

Como eu não sabia o que o Felipe queria comigo, disse a ele que iria sair com uns amigos. Na verdade tava com esperanças de me encontrar e transar com o Fê.

Deixei Thiago no seu serviço e fui pro meu trabalho. Chegando no banco, quem eu encontro lá?

Adivinha?

O Felipe estava me esperando chegar. Minhas pernas ficaram bambas, e com aquela cara de safado veio me cumprimentar e disse:

-Podemos conversar?
-Sim, venha até a minha sala.

Entramos na minha sala e ao fechar a porta, Felipe me jogou na mesa, encostou sua boca em meu rosto, como se fosse me beijar e disse:

-Está com saudades?
-Sim Mestre! Muitas!
-Eu falei que sentiria minha falta.
-Não consigo ficar longe do seu cheiro, do seu corpo!
-Podemos nos encontrar hoje a noite?
-Com certeza.
-Ótimo! Então as 19:00h no seu apê ok?
-Sim senhor. Agora me beije mestre, deixa eu matar a saudade.
-Você quer que eu te beije?
-Sim!
-Primeiro beije meus pés, aí te beijarei daquele jeito que você gosta.

Me ajoelhei pra beijar seus pés. Estava com os pés do Fê no colo, pronto para beijar, e quando fui encostar a boca naqueles sapatos pretos, Felipe me empurrou com o pé e disse:

-OTÁRIO!

Aquilo me deixou louco. Queria logo que chegasse a hora de tê-lo novamente como meu mestre. Mas as horas não passavam.

Lembro até hoje das férias que passamos juntos na fazenda do nosso avô. Foi tudo tão perfeito. Eu era todo do meu primo. Fazia todas as suas vontades. Felipe nem sonha que o peão que cuidava da fazenda havia visto a gente se beijando e ameaçou contar tudo pro meu vô. Tive que transar com ele para que o pobre peão não abrisse o bico.

O nome dele era Lucas, um peão bem bonitão que sempre me olhava de um jeito diferente. Quando viu Felipe e eu se beijando, veio logo me segurando e ameaçando contar tudo para o meu vô. Lucas era bem selvagem e muito bom de cama. Gemi muito com aquele peão. Lucas foi tão gostoso na cama que quando eu ia pra fazenda, sempre transava com ele.

Felipe nem imagina as deliciosas noites que passei com Lucas. Depois que transava com Felipe, eu encontrava com o peão nos quartos dos fundos, onde ficava todos os funcionários da fazenda.

Fiquei horas na minha sala pensando nessas férias inesquecíveis, até dar a hora de ir embora. Fui direto para o meu apê. Preparei uma janta bem gostosa, para que eu e Felipe jantasse juntinhos como os velhos tempos.

Então a campainha toca. Era Felipe:

-Boa noite meu verme gostoso.
-Boa noite mestre.
-O que temos para o jantar?
-Macarronada.
-Nossa, meu prato predileto.
-Sim, por isso que preparei. Especialmente para o senhor!
-Muito bem otário, assim que eu gosto.

Felipe se aproximou de mim como se fosse me beijar, chegou bem pertinho do meu ouvido e disse:

-Hoje a noite promete!

E bem de leve mordeu minha orelha, fazendo com que eu arrepiasse todinho. Entrou no apartamento e colocou uma música para fazer aquele clima gostoso.

O jantar foi delicioso. Relembramos da nossa infância, das nossas aventuras, de tudo que passamos juntos. Foi perfeito. Percebi que o Fê estava mudado, mais carinhoso.

Felipe se levanta da mesa e se ajoelha na minha frente. Então começa a passar a sua mão na minha coxa e no meu rosto, até que rola o primeiro beijo da noite. Foi tão gostoso, que parecia o nosso primeiro beijo. Logo em seguida Fê tira meus sapatos e faz uma deliciosa massagem nos meus pés. Meu pau já estava duro, só dele tocar em mim, e pra me deixa com mais tesão, Felipe cai de boca sobre minhas solas, lambendo e chupando todo o meu pezão.

Felipe então se levanta e pedi pra mim relaxar e não levantar da cadeira. Foi o que eu fiz, depois daquela massagem e daquelas lambidas nos meus pés quero ver quem não ficaria relaxado.

Fê deu uma saída e voltou com uma mala. Tirou dela algemas, uma ballgag, cordas e uma venda. Foi aí que a brincadeira começou a ficar excitante. Felipe me amordaçou com a ballgag, me vendou, me algemou com as mãos para trás, amarrou minhas pernas e coxas bem forte, e disse:

-Vou te deixar vendado até que uma pessoa chegue.

Pensei comigo: "-Será que o Fê convidou o Thiago?" - Só de pensar me deixava louco de tesão, então procurei ficar na minha e esperar pela tal pessoa.

Senti algo pesado no meu colo. Era Felipe sentado no meu colo. Encostou sua boquinha no meu ouvidinho e começou a falar bem baixinho:

-Lembro até hoje daquele dia que te amarrei na cama do nosso vô lá na fazenda e passei calda de chocolate em você. Deslizava minha língua sobre seu corpo e você delirava de prazer. Chupava seu pescoço, mordia seus mamilos. Ao mesmo tempo que te proporcionava dor, fazia com que você sentisse muito tesão. Engolia seu pênis, lambia suas bolas, arranhava sua barriguinha, e você nada podia fazer. Estava indefeso, sobre o meu poder. Como aquelas férias foram boas.

Então a campainha toca:

-Bom acho que chegou a pessoa que vai alegrar a minha noite.

Felipe foi abrir a porta e voltou para me mostrar a tal pessoa:

-Vou tirar a sua venda, você vai se surpreender com o que vai encontrar aqui na sua frente.

Fê foi tirando a venda dos meus olhos e ao ver quem era tive uma grande surpresa. Era Lucas, o peão da fazenda:

-Lembra do Lucas. - gritou Felipe dando tapas na minha cara, não podia gritar pois estava amordaçado - porque não me disse que se encontrava com ele na fazenda? Você me fez de trouxa? Isso não se faz com um MESTRE. - Felipe então apertou meus mamilos descontando toda a raiva que estava de mim - você deve obediência e fidelidade para com seu mestre. Você não passa de um viadinho filho da puta que não pode ver homem que fica doido pra dar o cú.

Em seguida Lucas retira a mordaça da minha boca. Não sabia o que falar, pois Fê estava certo. Eu fui um ordinário.

-Por que você não me contou?
-Me desculpe Mestre!
-Desculpar? Você tinha que ter sido fiel a mim. Eu mandei Lucas te ameaçar para ver a sua reação. Você tinha que ter me contado e não transado com ele.
-Mas Fê...
-Me chame de Mestre, seu verme. - interrompe Felipe com um ardido tapa na cara
-Sim Mestre. Ele ameaçou contar tudo para nosso vô. Fiquei com medo e resolvi transar com ele e não contar nada pra você.
-Filho da puta! Você não transou só uma vez e sim todas as noites que estávamos na fazenda.
-Não Mestre...
-Mentira!!! Fala a verdade. - mais uma vez sou interrompido por Fê com um tapa
-Tudo bem. Transei sim com ele todas as noites que ficamos na fazenda. Quem não transaria com um homem tão gostoso como Lucas?
-Realmente Lucas é muito gostoso, por isso que pega a maioria dos nossos primos que visitam a fazenda, inclusive eu.
-Sério? Até você?
-Sim, a gente sempre transa.
-Mas e por que eu não podia, se até você transa com ele?
-Porque você é exclusividade minha. Só minha. Meu verminho gostoso que amo muito. Você não percebe que te amo sua bicha?

Fiquei surpreso com a surpreendente revelação do Fê. Ele me amava e eu não sabia. Então eu disse:

-Sempre te amei, mas nunca contei isso com medo de você me esnobar.
-Verme maldito. Senti tanta sua falta.
-Eu também.
-Mas hoje você ficará só na vontade.
-Como assim?
-Vou transar com o Lucas na sua frente, você terá que assistir tudo e não deixar seu pau ficar ereto. Se você conseguir, entrará na brincadeira, mas se esse pauzão não agüentar e endurecer, você apenas observará e sofrerá o castigo.
-Mas Mestre é impossível não excitar com dois caras lindos e gostosos transando na minha frente.
-Tente agüentar.

Felipe então tampa minha boca com silver tape. Era impossível não me excitar. Mas tinha que fazer de tudo para participar da brincadeira.

Lucas tira a camiseta de Felipe, depois a calça e a cueca, deixando ele todo peladinho. Em seguida Fê tira a camiseta quadriculada que Lucas usava, deixando o peão apenas de sinto, calça e botas. Os dois começam a se beijarem, o que foi difícil me segurar. Queria mesmo pular em cima dos dois, mas estava todo indefeso na cadeira. Felipe retira todo o restante da roupa de Lucas, o que me deixou com mais vontade de agarrá-los.

Lucas se posiciona de quatro e bem devagarzinho Fê introduz seu pauzão no seu cú. Felipe agarra bem a cintura do peão que gemia como se fosse uma cadela no cio.

Chegou a hora de Lucas trocar de lugar com Felipe. E os dois transavam ali na minha frente, ao ver que meu pau não estava duro, Felipe pediu para que Lucas esfregasse seus pés no seu pau. Foi aí que não pude me controlar. Meu pau já não estava agüentando mais.

Ao ver meu pau duro, Felipe se levantou e disse:

-Não agüentou. Uma pena que você ficará só na vontade.
-Coitado Felipe, vamos dar um trato nessa puta que tá doida pra dar o rabo. - disse Lucas
-Você quer dar o rabo viado?

Balancei a cabeça dizendo que sim.

-Mas primeiro devore nossas picas!

Fê retira a silver tape da minha boca e os dois enfiam seus cacetes em minha boca. Que delicia devorar duas picas tão saborosas de uma vez só.

Fui desamarrado por Lucas. Felipe me chama pra ir pra cama. E quando estávamos já prontos para começar uma deliciosa suruba a campainha toca. Felipe foi atender.

-Você aqui Thiago?
-Vim visitar o Felipe.
-Ele está ocupado, brincando comigo e com o Lucas. Você lembra do Lucas?
-Claro que me lembro, como posso esquecer daquele peão gostoso.
-Você quer participar da nossa brincadeira?
-Gostaria muito senhor!
-Então entre verme e se prepare que a noite será longa.

Realmente a noite foi longa. Usamos e abusamos do verme do Thiago. No outro dia combinamos de passar o fim de semana na fazenda do meu avô. Esse final de semana promete!

Conto de Mr Boy, Exclusivo Bondage Man

Nenhum comentário: