O Canal de Bondage


Eu não sei quanto tempo eu fiquei lá. Não havia mais ninguém no apartamento do mestre. Ele colocou-me uma máscara que obstruiu meus olhos e uma mordaça com um pênis de borracha em minha boca. Então me despiu e colocou prendedores de couro grossos no meu pulso e tornozelos. Conduziu-me a um lugar em que sentia a madeira morna abaixo de meus pés descalços.

Eu fui colocado com a cara para baixo no assoalho e meus pulsos foram imobilizados nas minhas costas. Então o mestre foi para as minhas pernas forçando-as abertas e deixando meu anus exposto.

Eu senti o contato frio do lubrificante em meu rabo, quando o mestre com paciência distribuiu uma generosa quantia nele. Ele massageava meu rabo, enquanto eu me contorcia e tentava fazê-lo parar.

O mestre pegou um plug com uma ponta estreita. Tão logo entrou em meu rabo, tive a sensação que meu cu ia partir em dois. Ao entrar os últimos centímetros, os gemidos de prazer foram misturados com os de dor. Então retornou para juntar meus pés e prendê-los um ao outro, deixando minhas pernas bem amarradas e presas juntas para impedir que o plug saísse.

Senti meus pulsos sendo tencionados, e percebi que o mestre prendia meus pulsos aos tornozelos. Ele foi puxando mais e mais, até que meus pés estavam praticamente tocando meu pulsos, ficando meu corpo totalmente tencionado em hogtied.

Nesse momento ouvi a voz do mestre pela primeira vez.

"Eu tenho que ir atender alguns clientes, você fica aqui. Se você puder se livrar, pode sair, caso contrário, relaxe e aprecie."

Eu esforcei-me como um louco tentando gritar mas a mordaça impediu-me. Eu ouvi passos e o som da porta fechando-se. Por um tempo eu continuei meus esforços desesperados para livrar-me mas era inútil. O tempo continuou a passar quando o silêncio envolveu tudo. Minha mente girava a mil. Pelo menos eu sabia que me contorcer não ia ajudar em nada, então eu comecei estudar a situação. Se eu conseguisse livrar um dos tornozelos ou dos pulsos, eu teria uma oportunidade.

Meus braços estavam tão esticados que tornavam qualquer movimento praticamente impossível. Então eu tentei encolher as pernas, forçando meu corpo, tentando alcançar os tornozelos com meus dedos. Cada movimento, cada esforço faziam com que o plug no meu rabo mexe-se, mas eu estava começando a ter algum sucesso com as cordas nos meus tornozelos e tinha que continuar antes que a situação ficasse pior.

Esticando os dedos eu comecei a desfazer os nós da corda. Desfazer o primeiro exigiu um grande esforço e bastante tempo, pois estava extremamente apertado. Remover o segundo já foi mais fácil, e com os pés livres, os braços puderam recuperar o movimento.

O suor que me cobriu fez ficar mais fácil trabalhar com as cordas nos pulsos, e depois de mais um bom tempo, minhas mãos e braços também estavam livres.

Eu fiquei deitado no chão completamente esgotado. Após alguns minutos, eu removi a mordaça e com algum esforço eu consegui remover a fita que estava sobre a máscara. Pouco a pouco meu olhos foram ajustando-se à luz e eu parei chocado com o que vi.

Eu estava num quarto 2 por 2 com as barras presas ao teto. No outro lado do quarto havia um tripé com uma câmera focalizada em mim. Estava ao lado de um computador e no monitor em eu vi minha própria imagem com um olhar de espanto. Nesse momento, o mestre apareceu no quarto e desligou a câmera.

"Relaxe. Se qualquer coisa tivesse saído errado, eu o soltaria imediatamente. Tudo não passa de um jogo e eu te dou minha palavra que eu estava na casa o tempo todo gravando-o enquanto você se excitava tentando se soltar."

Eu não soube o que dizer. Eu agarrei minhas coisas, eu comecei a vestir-me e fui embora sem saber o que pensar. Naquela noite em casa quando eu não conseguia dormir, pois ficava excitado de pensar sobre o que aconteceu. Eu levantei e resolvi surfar na net um pouco. Tão logo conectei-me, recebi uma mensagem do mestre:

"Espero que tudo esteja bem. Se estiver, eu o quero semana que vem no mesmo horário. Você deixou a audiência do Canal de Bondage completamente louca, e eles o querem novamente na próxima semana."

Eu parei perplexo enquanto lia a mensagem. Entretanto, aquela noite não consegui dormir mais, mal podendo esperar pela próxima semana.

Nenhum comentário: